Comentários: Até o Último Homem, Filhos do Medo, Resident Evil 6, Tempestade da Alma, Toni Erdmann

hacksaw1
Até o Último Homem (Hacksaw Ridge, 2016), de Mel Gibson

Pacotão Mel Gibson completo, com todas as suas virtudes e excessos. Mas a intensidade com que os primeiros passos daqueles homens na guerra são recebidos por nós, com uma profusão delirante de balas perfurando corpos, cadáveres putrefatos mergulhados na lama e um gore muito explícito, garante a longa sequência de batalha do filme – em especial a primeira batalha, até que os combatentes se recolham pela primeira vez – como um dos melhores momentos dessa temporada do Oscar.

the_brood_1979Filhos do Medo (The Brood, 1979), de David Cronenberg

Parte do meu problema com esse neociclo de horrores domésticos com dramas maternais alegóricos se intensifica diante de um filme como The Brood. Cronenberg não teme o desafio da autoria frente ao objeto/discurso, não se esconde detrás de alegorias ou truques ou pedagogias bem intencionadas, mergulha mesmo no delirante pesadelo da materialização da ficção através da forma e das imagens. Se boa parte dos filmes do gênero faria do terapeuta ensandecido não mais que uma ameaça antropológica, aqui a parada é séria: pela terapia as dores ganham vida, a cura ganha corpo(s), braços, sede de sangue, as emoções se convertem em violência carnal. Cronenberg não precisa de mais que quatro ou cinco planos para erigir um universo de morte muito palpável, e ao invés de artimanhas e turning points espertinhos, toda a ação encaminha-nos para um fim de doloroso e inevitável enfrentamento.

resident-evil-6-final-chapter
Resident Evil 6: O Capítulo Final (Resident Evil 6: Final Chapter, 2017), de Paul W. S. Anderson

Começa com uma frenética coleção de set pieces ágeis de ação, mas aos poucos vai murchando e abraçando cada vez mais um esquematismo narrativo típico de capítulo final de franquia. Bate uma decepcçãozinha, até porque o tratamento dessa resolução dramática não chega ao nível do próprio Anderson em um Pompeii, e os recursos visuais das cenas de luta no final me soaram um tanto estranhos (aquelas projeções mentais da ação deslocadas e subaproveitadas, por exemplo, além da própria localização da ação no espaço claustrofóbico). Curto esse retorno a uma estética suja e grotesca, mais próxima dos games e do filme original, mas depois de Afterlife e especialmente Retribution lançarem a série num segmento de ação digital que potencializava e ressignificava o uso do CGI, fica soando um filme mais acomodado e convencional.

6-the-mortal-storm
Tempestades da Alma (The Mortal Storm, 1940), de Frank Borzage

Borzage busca essência humana numa sociedade corrompida por ideologia e violência. Ficção anti-nazista bastante dura no retrato do período, mas o melhor é justamente como atravessa esse registro para chegar à potência dramática devastadora do ato final.

toni-erdmannToni Erdmann (Toni Erdmann, 2016), de Maren Ade

O filme foi me conquistando no mesmo ritmo em que o performer/pai seduz a filha para entrar em seu jogo de encenação, até converter-se em completa entrega – dela e minha – na hora final. A fluidez com que os esquetes se articulam e a noção de fluxo de cena da Ade são bem impressionantes. Um tour pela própria essência do humor.

Fale:

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s