Melhores Filmes de 2017: Primeiro Semestre

Breve seleção extraída entre os mais de 200 filmes exibidos no circuito comercial brasileiro de janeiro a junho. Utilizei como base o calendário de estreias disponibilizado pelo Filme B, desconsiderando obras que retornaram às salas depois de já exibidas em seus respectivos anos de lançamento – caso, por exemplo, do monumental Hiroshima Mon Amour. Posições não muito precisas, mas uma força interior sempre me impede de fazer listas em ordem alfabética. Ainda não vi algumas estreias do mês de junho que me interessam, mas dificilmente alterariam as 10 posições da lista – podem entrar posteriormente na seção de recomendações ao final do post. Suponho que pelo menos a metade inicial tenha lugar garantido no Top 10 de 2017.

137653610. Fragmentado (Split; M. Night Shyamalan, EUA, 2016)

Se A Visita trazia um frescor inesperado ao cinema de Shyamalan pela apropriação autorreflexiva e satírica de um recurso saturado como o found footage – recurso frequentemente esnobado por fãs do próprio diretor e do cinema de horror -, não deixa de ser decepcionante que Fragmentado, ao contrário, opere numa esfera muito confortável de fanservice: assume um universo compartilhado para a obra do cineasta (picaretagem do momento em Hollywood), retorna ao suspense de camadas psicológicas facilmente aceito pelo bom gosto institucionalizado – que o legitimou como autor lá em O Sexto Sentido. Apesar de tudo, suas qualidades como fabulador, a força das imagens e a crença no poder da fé e da imaginação são suficientes para sustentar o filme.

the-death-of-louis-xiv-hero9. A Morte de Luís XIV (La mort de Louis XIV; Albert Serra, FRA/PT/ESP, 2017)

O ritmo ditado pelo compasso da morte, a atmosfera letárgica, a imobilidade, os closes nas faces, a carne apodrecendo, o tic-tac do relógio e o espaço claustrofóbico; elementos que nos aproximam dos últimos suspiros de um homem, experimentando tanto a dor do enfermo quanto a angústia dos que esperam. Leaud em interpretação absurda. Filme difícil de entrar, mas cujos fins justificam o estranhamento inicial. O senso de humor com que filma a solenidade monárquica e as ações dos que servem ao rei em seus dias derradeiros também é ouro. – “O Rei morreu” – “Está anotado, Senhor” & “Faremos melhor da próxima vez”.

filsjoseph058. O Filho de Joseph (Le Fils de Joseph; Eugène Green, FRA/BEL, 2016)

Depois de evocar os universos da música, do cinema e da arquitetura, Green retorna ao da literatura. O que inicia com a busca de um jovem pela figura paterna no meio editorial parisiense – com todos os easter eggs e a acidez típica do cineasta na reprodução desse ambiente – transforma-se muito naturalmente em um conto de aspirações literárias anacrônicas, até efetivamente se tornar uma parábola aos moldes bíblicos. Não está à altura de seus grandes trabalhos, mas Green segue um dos diretores atuais mais idiossincráticos e fascinantes.

JW2_D26_6523.cr27. John Wick: Um Novo Dia Para Matar (John Wick 2; Chad Stahelski, EUA, 2017)

Uma narrativa espelhada, duas missões transformadas em frenéticos set pieces de ação. O retorno a John Wick parte da ambição sang-sooniana de oferecer a uma mesma estrutura de ação – o primeiro filme, e principalmente sua minuciosa sequência de invasão à boate – novas possibilidades de encenação, num exercício formal extremamente cuidadoso com os movimentos de câmera, corpos, luzes e cores, e os efeitos que produzem em tela. Um dos melhores trabalhos recentes de encenação da ação no cinema industrial hollywoodiano, que ainda amplifica a mitologia e a força do primeiro filme.

get6. Beduíno (Beduíno; Júlio Bressane, BRA, 2016)

A obra recente de Bressane, o mais jovem dos cineastas, transita pelo que há de essencial no ato de encenar. Beduíno é o corpo, a performance, os gestos, a incidência da luz nas formas e nas imagens. É o estúdio como portal para outros espaços, outros tempos e até mesmo outros filmes. É também o trenzinho que percorre a sala carregando uma câmera digital, passeando entre as pernas da Alessandra Negrini. Se em Educação Sentimental Bressane narrava o fim da película, Beduíno é um prazeroso filme de redescobrimento, novo capítulo de um cinema que nunca cansa de se reinventar.

john from5. John From (John From; João Nicolau, PT, 2015)

Durante as férias de verão, uma mostra fotográfica desperta numa adolescente entediada a paixão pelo novo vizinho fotógrafo. Como se O Espírito da Colmeia fosse reimaginado a partir de um coming of age romântico teen. O cotidiano rotineiro progressivamente preenchido pelas fantasias do primeiro amor, com composições deliciosas e algumas das cenas mais bonitas vistas este ano no cinema. Possui imperfeições formais e estruturais típicas do trabalho de novos cineastas, mas João Nicolau é tão apaixonado pela fantasia que filma – e o filme emana tanto esse amor – que se torna irresistível.

rester-vertical---alain-guiraudie4. Na Vertical (Rester Vertical; Alain Guiraudie, FRA, 2016)

Green, Guiraudie, Rodrigues e Assayas lançaram parábolas este ano, e Na Vertical me parece a mais bem resolvida – em parte por evitar inteligentemente o excesso de espertezas extracampo. Estamos mais uma vez nas paisagens rurais francesas, numa atmosfera nonsense mais próxima de O Rei da Fuga que do thriller Um Estranho no Lago, filme anterior do diretor. Guiraudie subverte estereótipos e cria uma jornada de vida e danação a partir do prazer e da carne. A câmera filma tudo frontalmente: da pegada na genital às próprias genitais à transa ao parto à gerontofilia à morte durante penetração em plano-sequência, sempre alheia aos discursos de gênero corriqueiros – e, na maior parte das vezes, formatados e oportunistas – do cinema dessa década, e mantendo até o fim uma liberdade e uma espirituosidade singulares.
P.S.: “Sodomizou e eutanasiou um velho na frente de seu bebê” é a melhor manchete de jornal ever.

5488253. Toni Erdmann (Toni Erdmann; Maren Ade, ALE/AUS, 2016)

A grande sensação das listas de 2016. Confesso que essa unanimidade gerou em mim uma postura defensiva que o próprio filme foi desarmando a cada novo momento imaginado com brilhantismo – e são muitos, especialmente na segunda metade. Ade possui um olhar extremamente perspicaz para os detalhes e o andamento das cenas; as ações se dilatam, os conflitos centrais diluem-se no tempo, e raramente há uma sequência que não seja concluída com alguma pequena surpresa. É deste fluxo incomum que nascem as principais virtudes de Toni Erdmann, aliado ao humor peculiar com o qual constroi o jogo de encenação entre pai e filha, num gesto impossível de reconciliação entre gerações e valores.

z cidade2. Z – A Cidade Perdida (The Lost City of Z; James Gray, EUA, 2016)

Gray busca inspirações na pintura e em um modelo de jornada conradiana anacrônica para ambientar a selva amazônica como esse espaço idílico de sonho e delírio, imergindo nela homens assolados pelo desejo de reconciliação com as próprias origens. O explorador que entrega sua vida à obsessão por descobrir um novo mundo, pois já não suporta mais o seu. O filho, num misto de ódio e amor ao pai, que aceita essa mesma jornada para finalmente comunicarem o amor um pelo outro. É aquele primor de storytelling, densidade e poesia que esperamos de todo novo Gray.

woman1. A Mulher Que Se Foi (Ang babaeng humayo; Lav Diaz, FIL, 2016)

Pode não ser o grande filme do semestre (who cares), mas foi a sessão mais arrebatadora. Meu primeiro Diaz, e é incrível conhecer o trabalho de bons cineastas diretamente na tela grande. BTW, as três primeiras posições são ocupadas por filmes com mais de 2h20 que aproveitam cada minuto para amplificar suas atmosferas e conflitos – neste são 4 horas dedicadas a isso. Das impressionantes e quase impressionistas imagens noturnas das ruas filipinas aos diálogos (e canções!) exasperantes registrados em planos-sequência, é um mergulho no cotidiano de pessoas envoltas pelas sombras, castigadas pelo passado e vivendo duras consequências de ações de terceiros – seja o Estado, a família ou ex-amores vingativos.

__

Vale a pena ver: Além das Palavras (Terence Davies), Aliados (Robert Zemeckis), Até o Último Homem (Mel Gibson), A Cidade Onde Envelheço (Marilia Rocha), Com os Punhos Cerrados (Ricardo Pretti, Luiz Pretti e Pedro Diógenes), Corra! (Jordan Peele), Manchester à Beira-Mar (Kenneth Lonergan), Martírio (Vicente Carelli), O Ornitólogo (João Pedro Rodrigues), Paterson (Jim Jarmusch), Personal Shopper (Olivier Assayas), A Qualquer Custo (David Mackenzie), Silêncio (Martin Scorsese), A Tartaruga Vermelha (Michaël de Wit)

Breves comentários sobre 10 bons filmes recentes

Alguns comentários sobre filmes que entraram em cartaz ou transitaram pelo país em festivais. Foram redigidos para a seção preguiça do Cineplayers, na qual o maldito poder de síntese é testado pelo restrito espaço de 240 caracteres.

the_immigrant_header-620x259

Era Uma Vez em Nova York (The Immigrant, 2013), de James Gray

Sonho e desilusão; miséria e virtude; sacro e profano; pecado e perdão. Os personagens de A Imigrante transbordam dualidades, resguardam em si o peso da vida, em um filme que é maior que qualquer definição aplicada a ele. Nota: 9.5

vlcsnap-2014-05-26-13h23m22s101-1024x574

Bem Vindo a Nova York (Welcome to New Tork, 2014), de Abel Ferrara

Ferrara parte de um fato real para ficciona-lo livremente, compondo um personagem que se destaca entre os mais fortes de sua filmografia. Um filme de encenação minimalista todo arquitetado em torno do corpo e da respiração impressionantes de Depardieu. Nota: 9.0

vlcsnap-2013-10-07-13h58m29s207

E Agora? Lembra-me (E Agora? Lembra-me, 2014), de Joaquim Pinto

Com este ensaio poético e documental, acompanhando seus dias de tratamento clandestino do HIV e o cotidiano do sítio em que mora com o namorado, o cineasta/protagonista Joaquim Pinto filma intensas pulsões de vida, em encontro ao que ela possui de mais singelo e tocante. Nota: 9.0

famille_c_integral_film

O Ciúme (La Jelousie, 2013), de Phillippe Garrel

A câmera na mão invade o cotidiano para registrar fragmentos e, tal qual o olhar pela fechadura que abre o filme, nos deixa mais com duras impressões que com convicções. Sobre o que há no entorno do amor, sobre relacionamentos e o que resta deles. Nota: 8.5

SEVENTH-CODE-premieres-images-du-nouveau-Kiyoshi-Kurosawa-41444

Seventh Code (Sebunsu kôdo, 2013), de Kyioshi Kurosawa

“Não confie em ninguém”, diz em certo momento uma personagem; muito menos num cineasta. Com simplicidade encantadora, Kurosawa arquiteta 60 minutos deliciosos de um cinema que trapaceia nossas impressões até o plano derradeiro, conduzindo-nos a caminhos inimagináveis. Nota: 8.5

10676285_745913892123235_3579035737198198161_n

Mapas Para as Estrelas (Maps to the Stars, 2014), de David Cronenberg

A sátira a Hollywood que a publicidade tentou vender a todo custo é na verdade muito menos significativo do que as verdadeiras potências do filme. Um drama familiar próximo do horror, repleto de traumas, fantasmas e dilacerações. Nota: 8.5

285546

Noites Brancas no Píer (Nuits blanches sur la jetée, 2014), de Paul Vecchiali

Profunda obra sobre a solidão, o amor e a palavra. Vecchiali atualiza o texto de Dostoiévski com uma envolvente dramaturgia teatral, cenário único e delicado trabalho de luz. Destaque pra bela dança de Natasha e as demais cenas envolvendo seu Iphone. Nota: 8.0

ABC-3

Amar, Beber e Cantar (Aimer, Boire et Chanter, 2014), de Alain Resnais

Um divertido filme-testamento que materializa o extracampo tornando-o elemento vital da encenação. Que o morto seja o homem mais cheio de vida da história e que Resnais morra logo após finalizar o filme parece mais uma das suas deliciosas ironias. Nota: 8.0

sapience-sapienza

A Sapiência (La Sapienza, 2014), de Eugène Green

A relação dos homens com o espaço e a História que eles abrigam foi trabalhada com maior sutileza em A Religiosa Portuguesa, mas Green realiza aqui um belo filme diretamente ligado ao tema que, ao fim, almeja uma redenção que ainda não me conquista. Nota: 7.5

9101400697392

Dois Dias, Uma Noite (Deux Jours, Une Nuit, 2014), de Jean-Pierre & Luc Dardenne

Curioso vê-lo logo após A Lenda da Flauta Mágica de Demy, filmes historicamente distantes com uma Europa engolida por crises avassaladoras (de saúde pública ou econômicas). Dois filmes em que os poucos sorrisos são embalados pelo contato com a música. Nota: 7.5